Mirando o espelho, uma nova perspectiva sobre a sua ausência recorreu-me. Não houve abandono, pois nunca houvera companhia. Não se perde o que nunca se teve.
   Enquanto a conformidade prospera, as enfermidades começam a sair do controle, abrigadas pelo silêncio, que, mais e mais, se impõe, cessando a histeria, suavizando a excitação gritante.
  
   Você não pode ser isento de culpa, sodomizando meus sentimentos daquela forma. Eu persisto no mesmo erro, pois desconheço-o. Onde está ele ? Tão distante em meio tão obscuro, não consigo enxergá-lo, apesar de sentir sua fina e afiada navalha, cortando-me, perfurando-me, e sentir o sangue morno fluindo e correndo em minha pele gélida, fazendo-me arrepiar. Posso apenas observá-las, enquanto aguardo que cicatrizem-se.

Comentários

  1. Palavras que penetram no mais profundo da alma, palavras que confortam, são lindas as suas palavras, é incrivel a forma como você descreve e vê as coisas. MARAVILHOSO NICS. BY: day

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três