Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012
Por que você não me deixa escrever-te uns versos de amor ?
Por que não se afasta e me deixa curtir um pouco de agonia ?
Assim, quem sabe eu não rabisco umas linhas de lástima
que soem pateticamente poéticas e carentes de calor
Quem sabe não reencontro minhas lágrimas ?
Perdendo-me no hiato que sem você eu sou.

Sinto, dia após dia, devo afogar-me sem defesa
nesta falta que me faz à escrita, a tristeza.
Se você nunca me deixar, saiba que ainda
há de matar o que me resta de poesia.

Quem é você pra desafiar e transmutar o arbitramento,
fazendo-me, ao ser sua, viver num proibido êxito ?
Quem é você que não permite ao júbilo virar rotina,
Quem é você e por que eu, logo eu, fui ser sua vítima ?
Sweet, I see you've been hurry
like happiness could runaway
"We both know it is true", you say
But I promise tomorrow won't be this blowy
So, maybe we should let it wait

I know I should have asked when
I saw you goggling not to cry
I know I haven't asked you even
'bout your day or stuff I mind

I can now feel how good times
disappear as you blink your eyes
squirming with this unexpected pain
All that always made you afraid

I know I should have guessed
I know I should have held you
I know I should have known I'd do wrong
so many times

I know I couldn't understand
All that you meant with the silence
I couldn't feel like holding hands
By only reading your poems

I know I should have guessed
I know I should have held you
I know I shouldn't have made you wait
Till you get too tired to find
You would still strong
Far from my side
Naquele simples envelope branco ela resguarda seus mais brandos momentos. E zela, e reza para que haja um dia em que aquele pequenino, pequenino envelope não seja mais suficiente; que não haja mais nada apto a cingir todas as provas da existência de ensejos inacreditáveis. Da mesma maneira, espera pelo dia no qual não serão concebíveis provas e ela não precise mais proteger a delicadeza de sua felicidade tão felicidade... Espera, na verdade, nem precisar abarrotar o envelope da espera pelos momentos quando chegam.
Espera, veemente, que eles não mais partam.