Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2011
Uniforme, somente o apetite ávido por escrever: parte de mim quer a morte... Parte de mim quer o "nós"... Parte de mim quer acusar. Parte de mim quer apenas deitar-se.
Não precisa procurar a afinidade dos pontos - não há.
Minha escrita amordaçada, atada ao fato dos fatos, quer o antigo, o perene, e não o breve dos momentos, da inconstância de viver; quer o doer; quer sevícias; quer a morte, quer matar... Quer matar mas está morta. Demasiada morta e estafada para matar.
Tranca-se em uma perrice obstinada: criança que não sabe perder e não tem o que quer (quer ser causa de óbito, quer o cheiro de éter, quer o medo da solidão, quer a noite lúgubre, quer mortificar um coração em uma despedida).
Criança velha, porém, que lamenta a infância perdida, a juventude instintiva e sempre bem disposta à barbarias.
Devaneios e fantasias desgastados, dramas fatigados que em pleno leito de morte nada têm a dizer: não há últimas palavras.
Catástrofe sem graça habituar-se à realidade. Catástrofe, po…
Que névoa é essa que cobre teus olhos,
Torpe, muda, vaga , suja ?
Que névoa é essa que cobre teus sonhos ?
E se sonhos existem, por que os tortura ?
O que tens exatamente em mãos,
E uma vez apercebido,
Abate cínico com força, vil aluição,
Abate, buscando o extinto,
Qualquer um que o tenha como desconhecido,
Pra doer qualquer justificativa.
Uma felicidade derivada de mentiras
Naturalmente está fadada à agonia.
Como se ferir outrem curasse feridas...
E, de prazer, não bastasse já a vida,
Busca ser, na solidão que desatina,
Diferente do ser humano e sua sina.
Só lamento, só lamento, tua hipocrisia,
Só lamento, tua vida tão vazia...
(Tua falha inevitável)

Throw Me A Rope - KT Tunstall

Imagem
I want you between me and this feeling I get when I miss you
But everything here is telling me I should be fine
So why is it so, it bothers below that I'm missing you every time?

I got used to you whispering things to me into the evening
We followed the sun and it's colours and left this worl
It seems to me that I'm definately, hearing the best that I've heard.

So throw me a rope to hold me in place
Show me a clock for counting my days, down
Cuz everything's easier when you're beside me,
Come back and find me,
Cuz I feel alone...

And whenever you go it's like holding my breath under water
I have to admit that I kinda like it when I do
Oh, but I got to be, unconditionally,
Unafraid of my days without you

So throw me a rope to hold me in place
Show me a clock for counting my days, down
Cuz everything's easier when you're beside me,
Come back and find me

Whenever I'm falling, you're always behind me,
Come back and find me
Cuz everything's …
Much to change,
but I can't bet where I should begin
once we made it a million times
and we get worst the more we try...

Is it safe to stay ?
Is it safe to believe what you say ?
Once you already sounded too true to doubt,
or was I too blind to turn around.

The case is that I'm timorous
To take one step without you,
But frightened by your scenario -
It's not like this I want to pursue.

I still smelling your perfume,
a sad story that I should have presume,
wondering if she'll ever notice...
Wondering if she'd have a choice.

I hope that you find
at least one truly song to the violin,
so that I finaly might
forget the noise of this sin, this sin...

Not speaking for me:
the girl's broken heart is just what I mean.
Can't anybody say
if it will ever be the same, someday ?
Aqui, estás a partir outra vez. Quanto tempo até teu regresso ? Não me cabe descrever este coração, com seu fadário enlutado, cujos olhos pendem... Cansados, noite após noite, permitindo-se desabar sobre sonhos em que tu já chegaste. Compete-me, porém, amar o regozijo do teu aproximar, de abraçar-te e ter contíguo teu sorriso... Outrossim, de memorar-te e de esperar-te - apesar do dissabor que traz a efetiva acepção de fazê-los, o que quer que parta de ti não vem nunca carecido de doçura ou de meu bem querer. Observo-o a roubar-me as palavras: este âmago sempre delas tão possessor, cala-se repentino para ouvir-te presentear-me com dizeres tão mais... Tão mais... Aptos a fazer-me... Tresfolegar... E por que ? Por que fico a olhar-te ? Amo-te tanto e quero-te com um querer tão devoto, tão admirado... Fico a olhar-te assim, enquanto posso, contemplando como nada que parte de ti é, singelamente, menos do que lindo; tua discreta perfeição. Após a noite, afinal, estes olhos entusiastas abrem-se …
I get the miles to be counted
(Where did you go ?)
And stand up to everything it may amount,
How does it fit in my tight baby soul ? From the first morning, I was supposed to know: I haven't slept, so my dreams might be truth; I haven't slept, so it's fair for me to blame you.
Oddments may speak better Once I'm not here entirely anymore. Absence renders me, gray to bitter, Growing, by wishing him indoor...
Cingidor de dissabores, da distância, do meu tempo,
cingidor dos meus amores, da constância de meu alento;
Diga-me, que outra escolha eu tenho ?
Um "eu te amo" singelo e eu juro que me rendo.

Preciso que me abrace, do seu ente ante ao meu,
encontrar uma rima ao verso que já se deu.
Preciso que me abrace e não se deixe mais soltar,
Eu preciso, todos os dias, de um "eu te amo" elementar.