...Sua diferença é uma anomalia.
As palavras repetiam-se, incessantemente. E misturavam-se, embaralhavam-se, trombavam umas nas outras, arrumavam-se despropositalmente, num eco, num grama de cheiro de fósforo, que ela não perceberia se não lhe tivessem dito.
Tremiam e misturavam-se também os elementos de sua paisagem. Se fechasse os olhos para organizá-los, dormiria.
Nato de motivos que ela não procurou entender, receosa, um sorriso despontou, escondido em algum canto daquele murmúrio, e os olhos piscaram mais lentamente, querendo torná-lo mais vibrante, querendo sem querer..
Agora, não era mais nada. Ali, não havia mais nada. Quede... Consciência de hora, lugar e si mesma ? Não havia... Quando perde-se assim, e quando perde-se assim ? Conhece ? Este querer não encontrar-se nunca mais..
Porém, sua diferença... Era uma anomalia.

Comentários

  1. não consigo entender o seu texto,ou o que ele vem a significar.Ficaria grato caso você me explicasse!Amei o bg do seu blog e a forma em que os textos estão organizados!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três