Mas há que o dia está belo
E estes passos que esfacelo,
Amanhã vão-se pra sempre.

Mas há que o dia está claro,
Tão próprio do meu regalo,
De minha dor, abducente.

Há que a companhia é boa,
De cessar pranto qualquer,
Nada me vem confranger.

Meus dias passam à toa,
Vou no metro da garoa,
Só procurando esquecer.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três