Vou buscando esquivar-me, até onde me permite a ética. Distância boa não se faz ver, faz caber em um centímetro um ano-luz, surpreende, lenta e fugaz, imperceptível até que se veja... Afastando-me, sinto-me segura, porém a tua procura, a tua busca de mim, deixa-me inquieta, pois busca-me apenas para afastar-me em seguida.
Ai, amo-te... E amo-te mais quando me encontro em teus braços...

"Senhora, partem tam tristes / meus olhos por vós, meu bem, / que nunca tam tristes vistes / outros nenhuns por ninguém. / Tam tristes, tam saudosos, / tam doentes da partida, / tam cansados, tam chorosos, / da morte mais desejosos / cem mil vezes que da vida. / Partem tam tristes os tristes, / tam fora d’esperar bem / que nunca tam tristes vistes / outros nenhuns por ninguém." (João Roiz)

Comentários

  1. É...e como partem tristes por ela,e se destraído estou se tornam um mar vermelho.Vermelho pelo sangue que eles choram,pois a cada lágrima de tal pranto volumoso,o torpor apodera-se mais de minha alma.

    ResponderExcluir
  2. Mes yeux sont si tristes de te voir triste qu'ils sont comme est le ciel devant le désert; sans nuages pour lui arroser un peu de vie de la nature, ils sont inutiles, puis que ses larmes n'arrivent qu'à la mer...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três