Remisso

Uma mácula, um borrão. No azul imponente, esqueceram um pedaço de nuvem, tímido, branco de rubor, tentando aprender a dissipar-se.
Pobre projeto de bruma, de sopro atabafado, de névoa reprimida, perde seu tempo tentando esconder-se, sem ver que o vento faz isso por ela... Mas não há mesmo forma melhor que possa viver, paciência.
Paciência. Como pode caber tanto nesta forma semi-nebulosa tão miúda ? Tão miúda e com passos tão paulatinos e concisos e acanhados, que caminham longe, tão mais longe do que qualquer um pode enxergar...
Quisera que minhas horas corressem como correm as dela, e que não pudessem tocá-las, e que não pudessem mudá-las, como não podem fazer com as dela. Quisera ser dona de mim, ainda que eu não fosse mais que um fiapo tênue de fumaça esquecido.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três