O justo é não julgar, a realidade não se entende, se aceita - creio eu.
Por hora, lhe digo - e, não tome você, isto como um elogio - que a morte não vem por não a merecer.
Não posso negar que você talvez não seja somente a frieza desses seus olhos amarelos e loucos e sequiosos e vigilantes. Talvez haja, sob esse manto empedernido que te cobre, a parte que sofre e que diz que sofre, que escreve e deseja a morte, a parte na qual ninguém acredita.
Sei que nada dito aqui é válido, não é uma sentença, é uma opinião. (Custoso). Cansei de ver-te como moléstia para tentar enxergar-te como gente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três