Eu não queria ouvir nada disso, não preciso.
Palavras frias, já sabidas, desnecessárias – já ditas. Por que repeti-las ?   Doem…
Seu olhar e seu tom, delatam o que se faz em seu peito… Que cresce feroz e sem freios, o que não deveria crescer.
Tarde demais. A sorte não é dádiva que nos tem apontado com frequência…

Comentários

  1. só para vc ver que teve um comentário!

    ResponderExcluir
  2. Ah! Como seria bom se a sorte fosse realmente a responsável.

    ResponderExcluir
  3. Me gustó tu texto. Sencillo y directo!
    Muy bueno!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três