Dissipou-se, simplesmente. Sem mais pretextos para desvelar-se, silencia-se este cuidado. Não deixa, porém, de existir.
   Nata de um repertório dissimulado e adornado de gentilezas, calo em meu peito esta ilusão concreta de sentimentos. Se estava fadado a ser desta maneira, se me tivessem dito, eu talvez teria evitado este tão acerbo desengano. Mas os alarmes foram demasiadamente baixos…
   Corta-me a garganta, a aspereza de meu ânimo. O delito fora então, meu – que crime tão grande há em crer ! Não o sinta, não, que te quero bem demais, que te quero e este querer, em mim, perdurará.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três