Eles passam, passam… Não me vêem, não me olham. Uns olham sem ver, também.
   Querem moto, querem bebida, querem mulheres, querem música, querem dança, querem descanso…
   Queria pensar em tanto, também. Queria querer… Podendo ter assim que chegar em casa.
   Porém… Permaneço aqui, sentada, os vendo (e tão somente, observando) passarem, querendo e querendo, ansiosos na certeza de terem…

Comentários

  1. Ah observar o mundo deles...um capricho em vão.

    ResponderExcluir
  2. E... mesmo sendo incomum as palavras que me infiro, o fenômeno de "ler-se" em outrem é tão... surreal. Sim, fiquei meio desencontrada, rs. (ruborizada), explico-lhe. Este belo post lembrou-me em essência algo que... (concentrada) um resquício de dor pela lembrança ressurgiu das cinzas, me permite? Eu vejo isto isto "vínculo de áureas" *-* , pois... por sentirmos algo análogo em épocas distintas. Céus, sou prolixa, enfim... no post "Ensaio: sofrimento reincidente" eu disse: "Sozinha na multidão fria eu sigo, e sigo, e sorrio e caio, e fico.
    Eu levanto, e sigo, e suspiro e declino, e estou
    aqui estendida neste sol escalpelante onde descubro minhas cicatrizes no ego, pois brilham tão fortemente, cegam-me. Estou fascinada pelo número delas."
    Beijos.
    PS.: Sinta-se a vontade em deletar este comentário mais dissertativo que nunca! Eu me estendi... Porém, queria compartilhar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três