Arcano

   Quisera escrever teu nome… E deixá-lo junto ao vôo das andorinhas. Que ele voe e volte sempre ao meu ninho. Deixá-lo junto às flores que desbotam e renascem. Às nuvens ciganas, que chovem e deixam seus frutos e cheiros. À luz do sol, que não deixa de acompanhar-nos nunca. Ao ouro e a prata. Ao meu.
   Não o mereço, porém.
   Ah, meu amigo, de olhos castos, esfíngicos, cheios, redondos, como luas imensamente negras e orvalhadas.  Em seus olhos cabem o mundo. Seus olhos refletem sua alma – meu mundo. Quisera poder vê-los mais de perto…
   Poderia ser mais simples agora, que não estou lidando com um engano ou miragem. Somente um paradoxo, um tangível intocável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três