Versos escritos, assim, inaudíveis,
Como podes ouvir o que não se escuta ?
Seus olhos e seus braços completíveis,
Posso eu saber se precisas de ajuda ?

Austero, singular, abarcador,
Se vivo, vivo por ele sorrir…
Pode alguém julgar se é ou não amor ?
Ou dizer que este não pode existir ?

Duvido, creio, não posso provar
Mas, algum dia, eu hei de ter a chance
De provar a sua autenticidade

Algum dia, eu hei de te confessar:
"Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade"*


*Vinícius de Moraes – Soneto do Amor Total

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três