Mentecapta

Um cômodo desmobiliado, digo, tudo o que lá está resume-se a uma extensa cortina, pregada firmemente à parede, que agita-se em meio a escuridão, balouçando junto ao vento, que adentra pela cavidade onde deveria haver a armação de uma janela.

Frigidez ou nostalgia ou insensatez ou fatiga ou desalento ou tudo ao mesmo tempo ou nada disso… Não se assemelham mas eu não sei, não consigo diferenciar e apontar e me livrar do que me tem tão verdadeiramente incomodada, o que me tem deixado deveras desaconchegada.

Mentecapta.
Apoquentada.
Tenho me sentido
Vã;
Não tenho me sentido
Nada.
Tenho me sentido

Em todos os sentidos
Da palavra.

Desopressão…

É vazio, tanta coisa, é tanto nada cheio de tudo ou tanto tudo vazio de nada ? É tanto tudo cheio de nada ou tanto nada vazio de tudo ?
Não sei dizer. Eu não queria, ou queria sem querer. Poder bater meus calcanhares e desaparecer. Poder estralar os dedos e esquecer.
Queria poder escrever, qualquer coisa que eu soubesse que sinto. Tudo o que sinto é você, mas eu não quero que se incomode comigo.

Se eu pudesse
eu te diria
que sinto sua falta
tanto quanto
Sid sentiu
de Nancy…

Comentários

  1. Eu poderia, simplesmente, passar o resto dos meus dias lendo isso.Lindo e todos os outros adjetivos positivos que vc encontrar rs... como sempre né mocinha! : )

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três