Tronco robusto, galhos compridos, de folhas bem distribuídas, que à noite acariciam a Lua e cativam estrelas, cujo brilho é remetido às delicadas flores cor-de-rosa, de miolo amarelo-canário, que neles se abrigam. Galhos que perdem-se no escuro, transbordante de sonhos vadios, que invadem o mar, inconsequentes. Galhos que se agarram às pesadas nuvens que trazem chuva. O orvalho provoca cócegas, e ao longe, uma vista que nos faz pensar que foram todos lubrificados, tão lustrosos que são.
   Em suas proximidades, um perfume vívido e feroz contrasta com a frágil aparência de suas flores e frutos miúdos, impregna os ares, irrompe os pulmões, adoça os lábios enquanto faz arderem os olhos.
   Sua enorme sombra, de seu tronco tão vistoso, é dissemelhante, ímpar, gélida, e não permite que nada cresça nos seus arredores; rodeia sua beleza sozinha, acompanhada apenas da terra úmida, pastosa, escura e imprevisível. Há muito que a grama espessa não toca suas portentosas e elegantes raízes.

"And like a tree, I have measured up / Best when I've been cut down / And like a tree, I can touch the sky / With my feet on the ground..." Touch The Sky - Avril Lavigne

Comentários

  1. Oi, sou aluno da escola e do Melécio =)
    vou te passar um link do blog da Sociedade dos Poetas Vivos que vc está inclusa... me add no msn carlin.rp@hotmail.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três