Homicidas

Aquele que mata deveria ser punido com a morte também ? Parece justo a punição de um erro, repetindo-o ?
Algumas vezes escuto pessoas defenderem a pena de morte: “matou, tem que morrer”. Claro, cada um que tenha seu modo de pensar e seus argumentos, mas… Não é possível estar sempre certo, nem passar uma vida inteira sem se contradizer uma vez ao menos. Não dizendo que meu ponto de vista esteja mais correto, apenas gostaria de indagá-los se eles não possuem família. Se eles julgam-se tão perfeitos que jamais cometeriam tal erro; se julgam as pessoas que têm perto de si tão corretas, que seja impossível para elas tirar a vida de alguém…
Pensaram algum dia que, aqueles homens, de boa aparência ou não, que aparecem nos noticiários, apontados como assassinos, homens que deveriam morrer, segundo a lei de pena de morte – que vocês tanto defendem –, possuem família ? Possuem mãe ? Alguém que sofre por eles mais do que eles mesmos ? Pensaram que, talvez, não houvesse outro meio ? Que fosse escolher entre matar ou morrer mais tarde, mesmo que ninguém mais saiba disso ? Já se colocaram no lugar da mãe desses indivíduos ? É claro que não são todos assim e, muitas vezes, a educação que eles recebem é o que faz com que, mais tarde, eles sejam capazes de tirar a vida de alguém, mas, e se houver uma pessoa que se importe, que fosse capaz de morrer pelos erros do outro ? Uma pessoa cujo sofrimento fosse tal que não se pode medir ? E além de uma pessoa, talvez até uma família: cônjuge, filhos, irmãos, amigos…
Não se pode dizer que nunca cometerá tal erro, não se pode prever quais situações lhe serão submetidas no dia de amanhã. Não custa pensar e colocar-se no lugar do outro, por alguns minutos apenas.
E se algum ente próximo, ou ‘vocês’ mesmos, simplesmente ‘perdesse o controle’, num ímpeto, num impulso violento, e matasse alguém ? Entrariam em desacordo consigo mesmos ? Abririam exceções ao caso ? Ou se puniriam, assim como punem mentalmente os homicidas que aparecem da TV ?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três