Eterna gratidão

   É engraçado como algumas pessoas mandam na gente com um  simples olhar. Não é preciso uma palavra para que eu entenda o que eu preciso fazer.
   É engraçado como um simples recado de alguém pode nos levar a uma crise de choro, e ao mesmo tempo, trazer luz… Não como a luz do Sol, mas como a cauda de um cometa… Desses que todos esperam ansiosamente por dias (ou seriam anos ?) para que possam vê-lo por alguns segundos. Segundos que bastam e que iluminam mais do que qualquer raio de Sol, por trazerem consigo mágica…  Um gosto único, especial.
   E esses “alguéns” são aquelas pessoas que, em momentos em que você não suporta se encarar no espelho nem pelo tempo necessário para garantir um visual ‘adequado’, te dizem palavras que são simplesmente impossíveis de se duvidar, tão verdadeiras que soam.
   São aqueles que fazem com que te tornes alguém que outros jamais pensaram que poderias ser.
   São aqueles que, com a humilde companhia, com o simples fato de estar próximo, ou se fazer próximo, conseguem tornar o mundo, não perfeito, mas o mais próximo de perfeito que se pode chegar.
   Aqueles que abraçam com o olhar. E beijam. E mandam também, como eu já disse. Que conseguem dizer, sem querer, tudo o que é preciso ser dito.
   Aqueles que, muitas vezes, nem sabem que são capazes de tanto. Não imaginam o bem que fazem à pessoas tão desconformes como eu.
2
   Enfim… Não sei se faz sentido dizer que acredito em destino, mas não acredito em sorte, mas que, no entanto, considero uma sorte ter tantas pessoas portentosas assim em minha vida.
   Nunca serei capaz de agradecer tais pessoas o bastante, e muitas delas eu nem ao menos tentei (e tenho certeza de que não chegarei a tentar). A verdade é que por viver num ritmo tão inconstante (mudanças de humor devidas à vivência do presente, ou recordações que me vêm à tona de repente), poucos são os que não vão embora. Mas estes que ficam são autênticos, puramente dignos de confiança, desses que não se encontra em qualquer lugar. E o fato de tê-los comigo me faz perguntar qual foi a atitude maravilhosa que eu tive para merecê-los em minha vida… E como, obviamente, não encontro nenhuma resposta coerente, só me resta pensar: “Sorte !” (não que pensar assim tenha alguma coerência).
   Nada mais tenho a dizer, só uma pequena observação de que eu não sou tão aérea quanto pareço. Sim, eu me importo em demasia com todos aqueles a quem chamo de “amigo”. Mesmo que a maioria nunca venha a ler o que eu escrevo, o que estou sentindo agora não é algo que gostaria de deixar passar em branco. A sensação de não estar só, e de ter tanto amor dentro de mim que nunca supus ter.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três