Ela falava sozinha
por não ter o que dizer.
Uma faca de cozinha,
não foi possível morrer.

E virou monotonia
todo o amor que ela sentia
toda a força que ela tinha,
maior que a sua ou a minha.

Nada que possa pará-la,
nada que possa detê-la,
ninguém para impedí-la,
enfim, pura solidão.

Ninguém  que consiga amá-la,
sem lugar para escondê-la,
ninguém que possa seguí-la,
pois trancou seu coração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três