Obviedades

   O idioma, a palavra, são os mesmos. Porém, nossos olhos atrozes, em linguagens distintas (e em demasia desconexas), discutem confusamente, deixando sentenças e gestos ambíguos pairando no ar, sem respostas.
   Não conheço (e quem conhece ?) nada que seja plenamente autêntico, que seja tangível, de fato. Nada que perdure e que tenha como base uma certeza intransponível e indubitável.  Passa o tempo, passam as pessoas, passam-se os momentos (você os vê passar ou os deixa escorrer por entre seus dedos ?). A galhardia escapa, desgastada, fatigada. A delicadeza amadurece em grosseria. O riso tomba-se em pranto. Luto torna-se aprendizado. Rostos amigos repudiam-se. Armadas invencíveis são vencidas. Pernas firmes cedem e caem, enfim.
   Cedem e caem. E caem.

Comentários

  1. Acho que pra realmente se extrair felicidade dessa vida, devemos passar pelos momentos ao invés de os deixar passar por entre nós.

    ResponderExcluir
  2. Mas as coisas findas
    muito mais que lindas,
    essas ficarão

    Carlos Drummond de Andrade

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três