Desembaraço

Vem interpretar meus atos de maneira suja, sem notar os sentimentos que os abrangem e causam – ao menos o fizesse calada. Singelos abraços, saudosos, desejados, queridos e somente a ele destinados, impropriamente julgados, tornam-se vis e puramente egocêntricos à sua vista turva. Engana-se por sua própria vaidade e insegurança. Para você, são apenas abraços interesseiros dirigidos a ele, para mim, são o mundo.
Tão injustos todos os momentos em que você me censurou segundo sua própria acepção, sem cogitar a possibilidade de estar ou não correta. Não sabia minimamente do que falava, nunca soube. Pensava e tão somente pensava estar certa e nada mais.
Cansou-me.
Vem agora exigir um gesto meu de arrependimento, vem cobrar uma súplica minha por um perdão teu e pela tua companhia. Mas eu estou aborrecida e fatigada e, eu não te amo, querida.

Comentários

  1. Detonou agora, hein??
    Que orgulho!
    <3 Amei o texto, especialmente a frase final, :P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três