Abandonaria estes pensamentos, estas lembranças, estas visões de sombras nitentes.
   Melhor seria se eu pudesse não me lembrar do nosso último beijo, a cada vez que cruzo aquela praça. Se eu pudesse não me lembrar que, na verdade, não me lembro qual foi, de fato, nosso último beijo.
   Melhor seria se eu pudesse esquecer todo o hoje, também. Tudo o que passou, tudo o que se perdeu nessa passagem…
   Pode-se omitir os sentidos frente aos outros, mas não a si mesmo. Então, melhor seria se eu pudesse, enfim, largar-me de mim, soltar-me, fugir, deixar-me… Se pudesse encontrar uma coisa qualquer, a que dirigir minha atenção ! Um nada que fosse, que me pudesse entreter, que me prendesse distante de absolutamente tudo… Uma âncora, que me segurasse longe de meus devaneios, das metáforas desajeitadas que aludem a você…
   Quis, por um momento, deixar-te como me deixou: sem ponto.

Comentários

  1. Fugir de si mesmo, desprender-se de alguma maneira.Nos sentimos impotentes quando nada podemos fazer com nós mesmos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três