Hiperbólica

   Aos beijos e juras, estava um casal ao meu lado, e isso nunca me incomodou tanto. Eu só queria poder fugir daqueles estalos.
   Por que é permitido que eles fiquem juntos, enquanto eu tenho que continuar de luto pelo sentimento ainda vivo ? É tão injusto ! Ah, inveja !! Ah, saudade… 
   Eu senti sua falta. Quase o suficiente para começar a chorar (em meio a uma festa) e reclamar sobre o quão horrível é sentir absolutamente tudo tão exageradamente. 
   É… Talvez o maior defeito em mim, aquele que causa todo meu penar, seja o meu jeito de sentir o mundo a minha volta: hiperbólico. Demasiadamente hiperbólico. 
   E essas bocas falantes em minha volta também não ajudam. Eu já procurei, não há forma de fazer com que elas se calem. Enlouqueço tanto a ponto de recuperar minha sanidade.
   Ah, o meu amor é tão veemente; eu odeio tão intensamente, e me sinto excessivamente exausta de amar e odiar, e me contradizer mentalmente a todo tempo… 
   Minhas hipérboles, gigantescas, geram antíteses e paradoxos tão enormes quanto… E, nascida desses três, há a consciência de uma existência irritante e desesperadoramente efêmera.
   É tão confuso… Contudo, se não fosse confuso assim, não seria o suficiente para me fazer sentir viva. Eu preciso dessa confusão, desse aglomerado de incoerências ! E eu só queria poder me livrar de todas elas e, primeiramente, dessa minha doente necessidade. Dessas dúvidas e contradições que vêm e vão incansavelmente dentro de minha cabeça e meu coração. Dessa saudade que cessa, e depois volta ainda mais estuante para, mais tarde, ser apenas indiferença outra vez.
   Eu desejei que você estivesse ao meu lado, ou desejo que você esteja ao meu lado, já nem sei mais… Mentiras que contei tornaram-se verdades, verdades tornaram-se simplórias demais para merecerem crédito… Como é que se pode viver com tanto na cabeça ? Milhares de vontades vêm, porém eu não consigo me agarrar a nenhuma. Não há força que me tire daqui, deste meu abismo de querer e não querer, ou de não querer querer, ou de querer não querer…………


The punishment sometimes don't seem to fit the crime / Yeah there's a hole in my soul / But one thing I've learned / For every love letter written / There's another burned / … / Is it over, Is it over / 'Cause I'm blowin' out the flame…” (Hole In My Soul – Aerosmith)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três