Galamatia

Esperneio, contrario; te fito.
Enlouqueço, durmo, me calo; grito.
Deixe-me; não venha, mas, se vier,
não vá; não me tire do seu caminho.

Não penso, não tento, não te obedeço.
Sinto sua falta, vivo, te esqueço.
Acordo e choro, lamento; ignoro
todas as nuvens que trazem seus beijos.

Diz não viver sem mim, (e) sem ti não vivo.
Veja o erro: duvidas que o amor exista ?
Deixe que eu me vá, deixe que eu desista.

Vem a noite e minha fuga – te sinto.
Escondo que, para mim mesma, eu minto:
Me faço e me perco em galamatias…

Comentários

  1. Nem tem o q comentar, tudo o q vc escreve é lindo... Esse poema não podia ser diferente ;)

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo, belíssimo. Este é o primeiro soneto de sua autoria?

    ResponderExcluir
  3. Gentilezas..
    Não, Nick, não é. Há outros aqui no blog, inclusive.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três