De novo

   Nós dois sabemos que eu nunca consegui ir embora de verdade, mesmo tento tentado arduamente durante esses últimos dias. Eu sou fraca, eu não consigo.
   Nesse tempo em que me afastei, tentei fugir, eu consegui definir quais eram as minhas perguntas, e pude encontrar, sozinha, respostas para elas. Mais importante que isto, eu pude me encontrar. Redescobrir quem eu sou.
   Eu pude perceber muitas coisas, que antes estavam obscurecidas por uma densa névoa, vapor de insegurança e confusão. Eu pude perceber que, se algum dia, você desistir de mim (como eu tentei desistir de você), se algum dia, eu te perder de verdade, eu perderia meu rumo, meu senso, minha capacidade de sorrir.
   Eu pude perceber que eu preciso de você, que eu simplesmente não posso deixá-lo ir assim… Que eu gosto de você mais do que eu achei que conseguisse gostar. Eu gosto de você mais do que eu queria gostar.
   Então, me espere, estou voltando. Eu quero lutar ao teu lado e quero acreditar que essa luta resultará num final diferente - ainda que drasticamente menos poético – do final de Shakespeare.
   Eu sinto sua falta como nunca.
   Eu desejo ardentemente poder te abraçar e deixar o tempo se perder.
   Preciso loucamente me arriscar por você.
   Dúvidas, perguntas… Mandei-as todas para longe. “Vale a pena ?”, ah, eu espero que sim. Se não, foda-se.
   Em cada lugar que vou, há algo que me remete a você.
   Em cada conversa à toa, encontro em mim detalhes seus.
   Em cada música, em cada estrela, em cada nuvem, em cada árvore, te encontro. No vento cortante, sinto a falta que você me faz.
   Cada vez que meus olhos se fecham, imploro por te ter de volta, ainda que ninguém possa me ouvir, eu sei, eu sinto: minhas palavras chegarão até você.
   Por mais que eu tente dispersar meus pensamentos, eu sempre, sempre volto para você e para o meu desejo de poder cuidar de você.
   Se isso não for amor, então, por favor, me explique o que o vem a ser. E então, talvez, eu descubra que o amor não tenha a mágica que nós temos. Se for assim, eu renegarei o amor, e preferirei o nosso sentimento insano, intenso e hiperbólico, seja ele qual for, com todos os seus momentos de declinar e solevar. 
   Anjo, eu quero sua segurança. Eu voltei, venha me buscar… De novo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três