Homérica. Tua beleza, doce flor, é inigualável.
Esfíngica. Quisera ter somente sua força, bastava-me.
Lânguida. Dúvidas tuas, quisera fazê-las minhas, tomá-las. Calá-las.
Em cada estrela fria deste céu opaco, reflete-se teu aspecto ímpar.
Nuvens de nada, densas, tapam-lhe a alma: refúgio que só não disfarça teu brilho.
Arrasta os passos, te levam pra perto, te trazem pra longe…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três