"Por toda minha vida, eu vou..."

Confia-me tuas mágoas, despropositalmente.
Promessas, amigas convenientes dessas horas difíceis assim. Fazem-nos ficar, quando devemos ir. Quando tudo o que poderia nos dar.. Qualquer algo que parecesse felicidade, levam-no para longe e, de qualquer forma, percebemos que já não é, este.. "Tal algo" o bastante. E que nunca fora. Lamentável conhecer a desventura para somente desfrutá-la, remoendo em agonia a época ignorante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três