Sinto falta de minha alvorada, de torná-la tangível a mim, transitável por mim, de palmilhá-la e sentí-la em cada canto de sua solitude, em cada tom do seu azul. Sinto mais a falta de sua presença, a tenho quando tenho minha alvorada…
   Não sei por que tal pensamento me aturdiu, eu já não imaginava ? Minha saudade surtiu bem mais cedo do que eu esperava, em dimensões agigantadas, se comparadas às usuais…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três