Hã ?

   Eu quis dizer um “eu te amo”. Eu quase vomitei um “eu te amo”, mas eu não te amo, então tudo bem eu ter reprimido essa vontade idiota de dizer que te amo – você não precisa ouvir que eu te amo se eu não te amo. E se eu tivesse dito que te amo ? Como eu poderia me justificar ? Que desculpa eu poderia dar ? Eu me pergunto como você reagiria e essa curiosidade quase me faz querer dizer que te amo, mesmo eu sabendo que não te amo, e que você também não me ama, obviously. Por que eu quase disse que te amo, como se isso fosse algo rotineiro, como se fosse mais do que certo e óbvio, se eu não te amo ? Por que eu tive que barrar, mais de uma vez, minha vontade de dizer que te amo ? Aliás, eu sei por que eu barrei essa vontade, eu sei: eu não te amo, mas, por que essa vontade vem ? E vem tão repentina, que eu quase nem percebo que não posso dizer, e quase digo ?

Comentários

  1. Nicole,

    Se existe amor nada precisa ser dito, ele transborda nos olhos e flui através da energia de nossos corpos. Então seria redundante a palavra.
    Igualmente se ele não existe o outro perceberá na frieza de nossos atos e na indiferença de nosso toque. bjs


    BOAS FESTAS PARA VOCÊ, AMIGOS, FAMILIARES E UM 2011 REPLETO DE REALIZAÇÕES, QUE NÃO TE FALTE SAÚDE E PAZ!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três