Não fica longe de mim, não, que já te tenho longe demais…

Cândido, pois sim. Remonto-o as que vezes desejo, encontro-o nas cantigas de amigo.
Irrelevante, que não. Que me falte a palavra, que me escoe o alento… Mas que eu não me faça indiferente, jamais, a esta dádiva de Platão. Que jamais a tenha em mim, olvidada.
Doeria muito mais não tê-la em mim do que simplesmente não tê-la para mim.

Comentários

  1. Eu fico tão orgulhosa quando entro aqui e vejo o conteúdo dos seus textos!
    Já cansei de vir aqui e dizer que está perfeito, porque parece repetitivo. Tudo e qualquer coisa que eu disse de bom vai parecer repetitivo, mas você me surpreende! Parabéns, eu amei!

    ResponderExcluir
  2. Pois é,o que seria de nós sem Platão
    rs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três