Apenas faça. Se não puder fazer simplesmente, não tente… Sinceridade implica em espontaneidade. Pergunto-me se algum sorriso seu a mim dirigido foi honesto e a resposta me preocupa.
   Estou acostumada com seu rosto. Posso fechar meus olhos e ainda assim enxergá-lo perfeitamente, cada traço em cada expressão – todavia eu nunca te vi chorar. Tão doce feição, embora você não possua a mesma doçura, eu gosto de cada pedaço e de cada vazio que você deixa em mim, mesmo sem poder.
   Não sei quem você é, não consigo adivinhar sua pessoa… Sinto cada gesto seu tão seu, tão simples e unicamente seu, como se você não pudesse ao menos respirar como os outros – parece-me que tudo o que você faz tem um jeito especialmente seu. Quero conhecê-lo, quero encantar-me; sem poder e sem ter chances. 

Comentários

  1. Olá Nicole,
    Antes de tudo um feliz 2011 para você, cheio de magia e com tudo que você merece ter.
    Obrigada por aparecer em meu cantinho, é muito bom ter suas visitas.
    Vejo sempre um ponta de tristeza em seus escritos. Gostaria de um dia ver seus textos transbordando de felicidade.
    Carinhosamente,
    Dalinha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três