Sobre os sentidos, chove, chuva fria,
Mas no céu, limpo, faz-se um sol que brilha,
Brilha, solito, sobre sua sina:
Que brilho sobeja, mas o amor, míngua.

Falta-me cupidez, fome de ter,
Falta-me medo de contabescer…
E míngua a desgraça, mínguam os fins,
E falta eu mesma, aqui dentro de mim.

Míngua a doçura de cada palavra:
Falta você para não faltar nada,
Falta seu riso em minha madrugada.

Que seja abismo, ou pélago ! Eu desejo
Palco qualquer onde caibam meus erros,
E que me possa dar qualquer ensejo…

Comentários

  1. Por lo que pude traducir con el traductor: es un bello poema. Te felicito!

    ResponderExcluir
  2. Aiai... "Falta você pra não faltar nada"
    Apaixonante!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três