Não exijo sua presença por mais tempo do que posso ter. É inválido, de qualquer maneira.
   Perdoe-me pelas súplicas, se estas o aborreceram. Queria evitar o desvario, contudo o trouxe comigo em minhas próprias palavras.
   Que pode uma criança fazer diante deste abismo ? Eu sinto muito. Resta-me esperar que tudo tome seu lugar e que meu rumo se ajeite por si só.
   Logo voltaremos, os dois, eu sei. Quero-te tanto que este querer me tem roubado a prosa.
   E é um tanto incômodo não tê-lo, todavia, por certo ser, calo-me a partir de agora.






   (Ou não)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três