Deixaram as cinzas, as sombras da chama de uma vida que se foi e que não mais voltará.
   Comovida pela mudança, dou-me um voto de confiança, uma vez mais. Última vez, pela desesperança, ou última, por não serem necessárias outras ?
   Que riso doce, irrompeu este silêncio lúgubre. Converteu em força para lutar,  o luto. Aduziu certo fulgor aos meus olhos… Não quero mais perdê-lo.
   Claro que aquela saudade, da qual tanto me queixo, ainda flui dentro de mim, e dói e corrói e vai e vem, matando, consumindo, derruindo. Mas este riso… É tão bonito. Quero, humildemente, ser sua causa e motivo de existir, quero tê-lo a todo instante que eu desejar.
   Só querer, não deve fazer mal.

Comentários

  1. Nossa,adorei.Só você mesmo pra descrever algo de forma tão simples e simultaneamente complexa.

    ResponderExcluir
  2. Uaaaaaaul!! Realmente brilhante! Você sabe definitivamente usar as palavras quando se trata de sentimenos, sem falar que você consegue fazer o leitor sentir um pouco essa sua dor.Incrível =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três