Meu afeto fatigado, difuso
Junto a este pranto amargado, me iludo.
Submerso em dias, momentos defuntos,
Nosso amor, nosso acervo desconjunto,

Cultiva em mim o que me deixa lábil…
Lancinante, funesta, a atroz ausência
Conserva, efêmera, a sua presença,
Cultiva em mim o que me deixa frágil…

Meu fôlego escasseia-se em palavras,
Dou-as sabendo que estou a deixá-las,
Dou-as esperando que saiba amá-las.

Passam os dias, debalde lhe espero,
Sonho acordada, debalde lhe quero.
Debalde, lhe entrego um amor sincero…

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três