No Verso da Folha…

Meu doce sonho não há de se tornar
Mais do que um amargo e eterno tormento
O tempo com a dor passa tão lento
Ah, se eu pudesse parar…

De início, meus olhos fechados só enxergavam
A beleza das palavras que ali estavam
Beleza que se foi, quando eu decidi acordar
E perceber as verdades que todos já falavam
Ah, se eu pudesse parar…

Se eu pudesse parar de te querer, só eu sei
Como eu desejo poder te esquecer, só eu sei
A dor de saber que jamais te terei, hoje eu sei
Meus sonhos nunca foram sinceros
Meus sonhos deixaram de ser belos
Depois que eu acordei…

Ainda que falsas, lembranças tuas
Tão cedo não me deixarão
O que me resta são esperanças nulas
O receio de encontrar outra paixão

Teu rosto e tua voz me inundam enquanto o sol nasce
Embora eu saiba que ilusões não te trarão ao meu mundo
E quaisquer que sejam as voltas que o destino trace
Também sei que nunca se pode ter tudo
Sei que nunca estaremos juntos…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três