Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei...

   O peito enfunou-se, orgulhoso da coragem que nem era sua. Quis espremê-la, enchê-la de beijos, agarrá-la e pular junto dela: um sonho !
   ...Pouco a pouco, as mãos soltaram-se. A coragem tornou-se necessidade: os olhos brilhantes vislumbraram os fatos como fatos, não contos. Um torpor de estagnação dominou aquela boca, abafou os pulos - pensava no que ia fazer por aquela doçura que escondia inquietude num riso cotidiano. Desejara a vida simples, desejara que aquele ato bastasse para tudo, e imediatamente. Porém, aquele ato apenas tecia um começo - mais a aflição que causava a possibilidade de aquele começo estar inclinado a uma tragédia descomedida.
   O peito desassossegou-se, cuidando de uma agonia que nem era sua. Quis espremê-la, enchê-la de beijos, agarrá-la e pular junto dela: escondê-la ! Prendê-la em qualquer outra dimensão, tapar olhos e ouvidos, não deixar que lhe fizessem mal.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três