Vem, meu divisor de águas;
vem, que pra sempre eu te espero.
Vem, meu dispensar palavras,
vem ensinar-me mistério.

Vem, que eu não posso mais
despertar saudosa assim.
Corre, que eu não tenho paz
quando estás longe de mim.

Vem, meu orgânico querer,
minha saudade muda
(de mudeza pré-ativa).
Vem que estou a perceber
como quero ser só tua,
como podes ser meu guia.

Vem, salva-me das miragens,
e sendo longa a viagem,
uma vez que chegas, fica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três