Sorria. Lá fora o tempo não fazia a menor diferença. Chovia ? Sorria. Diante da futilidade de sua existência humana, sorria à carta atrasada - tanto tardou que havia decidido não entregá-la -, sorria à banalidade de ser quem era e gostava assim, pueril, medíocre, sorria.
   Sem muito interesse, os olhos ventavam sobre as flechas que jaziam próximas e, tímidas, beijavam-lhe os pés, natas da ofensiva do inimigo. Os olhos ventavam, o peito sorria.
   A carta. Transbordava, moldada em paráfrases, vírgulas e vírgulas e a mesma ideia fatigada apresentada, toda vã, em sua dinâmica de inverno.
   Sorria. Frente ao encanto da folha transparente. Frente ao enlevo de encontrar-se vazio.

Comentários

  1. Sorrisos entupidos de um nada morno e confortante. Intensidades das estações fugiram, sobraram os simples fatos dos fatos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três