Se a vontade for calar, não dizer, deixa, que eu prezo as virtudes dos momentos mudos, quando juntos. Difere, porém - aqui, uma célere rubrica -, quando a mudez deriva do apartar de nossos âmagos.
   Meu querer, ainda que não questionado, consiste no abrigo dos ditos que pedem para serem ditos sob uma serenidade digna do matinar da alvorada, que clamam remanso para nascerem e a ausência de um ensejo. Destarte, neste gesto tácito, sem que possas escutar-me; com este leito que enquadra tudo o que não cabe no estreito de nosso desvelo, deixo-te com meu ar pueril para que saibas, que és querido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três