Não cabe dizer, narrar a célere e torpe viagem que aqui me trouxe - porquanto não posso afirmar se foi viagem, se foi vertigem... Não cabe dizer o que de mim fizeram, apenas o que pode ainda ser feito com o que, agora, sou eu, com o que permaneceu, pois ainda há... Há o que fazer. Uma torrente pujante, de otimismo, decerto.
   Talvez o mal esteja no mirar saudoso com que me dirijo aos devaneios volvidos. Talvez partilhe desse mal o cárcere imposto sobre mim, por todas as portas estarem abertas; a limitação nata da liberdade interminável... Observar todas as expectativas e possibilidades cria em mim o medo de sentí-las e toma-me... O tempo para vivê-las - até o despertar. As obviedades que me envolvem pelas vedas deste cárcere não correspondem mais às minhas percepções. O infindo solilóquio que vinha me guiando começa a silenciar, calando minha alma no escuro e...
  É um encanto, é uma candura, que enfim, não cabe dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três