Das vezes que você se sentou ao meu lado e me contou o que sentia, eu sofri sua agonia, eu senti meu coração querendo saltar pela boca quando ele segurou tua mão, eu senti raiva (muita raiva, por vários e certos motivos) dele. E agora, eu percebo, eu nunca senti sua preocupação... Nunca queimou em mim o seu amor por ele. Tudo o que senti e vivi, enquanto te ouvia, foi espontâneo, foi natural, mas, somente parando pra pensar eu posso saborear, uma parcela insignificante - mas é o que posso - do seu sentimento. Agora, agora sim, paro para vislumbrar o seu amor e deixá-lo doer em mim. Sabe que eu percebi sua importância depois de querer retalhar aquele que lhe fez chorar ? Foi tentando enxergar as coisas pelos seus olhos verdes... E me maravilhando com isso.
   Acho que os julgamentos estão fadados ao erro. Devo dizer, a pessoa mais incrível que eu conheço é essa garota de beleza e índole incontestáveis (ainda que você discorde)... E, ao nosso primeiro contato, tive medo de você. A essência de suas intenções é digna, de uma gentileza cândida... Eu a admiro tanto por isso. O ponto deste parágrafo - recuperando o foco - é a sua confusão. A força que lhe atribuíram e que lhe falta neste momento em que ela deveria provar-se tangível. Talvez você se lembre de quando me disse que, por ter acreditado que era real, tudo o que havia acontecido, por mais que doesse naquele momento, havia valido a pena e havia sido de verdade (independente de ter sido ou não), pois você acreditou, um dia.
   Então levante-se. Você acreditou em você. Você acreditou em vocês, do contrário, não teria chegado aqui junto dele. Você acreditou nessa força e portanto, ela existiu, ela existe, acredite em mim. Mesmo que tenha se convencido de que não vale a pena por ele, nunca duvide, vale por você. Você merece mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três