II

Pende um grito de ajuda o cinza daqueles olhos diante do vazio da multidão. A boca seca, no entanto, não obedece àquele que sequer conhece o próprio âmago que, abstrato, insiste em deturpar a visão de si em uma plenitude mentirosa e inalcançável.
Porque, erguendo-se de costas sobre o que poderia ser um vislumbre indeciso de vontade, de prazer, à censura permitiu que lhe fizesse seu fantoche, cujo fado seria a eterna busca pelo próprio ser nos remotos horizontes de outrem. Nunca, pois, nos arredores de si - o karma de jamais se ter, a angústica de nunca sentir.

Comentários

  1. gosto quando alguem escreve, depois de uma angustia profunda... de maneira completamente impessoal, onde não esse eu lirico (que diabo não faço ideia do que seja) não está explicito... é quando o autor percebe que enão esta falando tão somente de si

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três