Declarar isso pode ser o equivalente a assinar um atestado de estupidez ou ignorância (ou ambos). Eu sou mesmo muito burra (mas não do tipo de burrice que se conserta... Eu não sou remendável, sou burra - e muito), então, que diferença faz ?
     Onde parei ? Ah, sim. Eu não gosto de ler livros que já li, digo, reler algo - isso inclui o que eu mesma escrevo - e não gosto de ver filmes que já vi. Não tem graça, a verdade é essa. Até digo que não me importo em perder novamente três horas para acompanhar alguém (no plural), mas, eu realmente detesto na maior parte das vezes.
   Apesar disso e por qualquer motivo que não cabe dizer, comecei a reler-me, de trás pra frente, e percebi que estou vivendo um filme - arg - repetido. Com um certo ar de preguiça, deparo-me com um castelo de areia destruído em sua bagunça... Com a única e singela diferença que o silêncio de outrora é o que hoje mais tenho alegria em alcançar - já couberam palavras e palavras não tive (paciência porque nem todos que se julgam homens são, de fato, homens).
   A trilha sonora que venho tentando evitar é a mesma que me acompanhava há pouco mais de um ano. O susto que custei engolir, a pergunta que não deixo sair, tudo assim: mais do mesmo. Os receios, os arrependimentos, as indecisões... Céus ! A mesma vontade de seguir em frente. A mesma certeza imbecil daquele íntimo "tudo bem" - o mesmo tapete covardemente puxado logo em seguida. A mesmíssima mentira.
   E eu não aprendi da primeira vez. E é por isso, tão por isso, que eu sou imensamente, completamente, infinitamente... Burra.

Comentários

  1. Não, não és burra. Nesta vida, é levando tombos que aprendemos. E, se levaste duas vezes o mesmo, com certeza aprendeste em dobro.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Eu também não sou autoditada, aprendo algo só depois de muita porrada!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três