2º Ano

E passaram-se, de repente, dois anos.
Devo cobrir-me de pesar pelo suposto termo da flâmula de minha pouca idade ? Há fiapos que gostam da manta mas não a tornam real: são fiapos; como o que desejo é somente encostar estas vestes, descobrir-me do luto um instante.
Não amo menos agora, mas apenas a quem tal amor cabe. Se agora meu peito rende pouca poesia, emendo: é difícil comprimi-lo aos versos. Difícil como nunca.
Mas, ao relevante: dois anos. Soa como pouco - parece-me muito e insuficiente. Parece mentira. Quem deixou passar o tempo, quem viu ? Couberam aqui dois anos de inquietações inflamadas que eu julgava silenciosas. Entretanto, corridos dois anos, cá estão elas, a bradar, como sempre, mais que nunca.
Dois anos a completar-me a existência truncada aqui. Dois anos passaram, os meios mudaram. Mudaram ?
Há para a vida ainda poesia. Há somente. Ainda que eu ame, ainda que eu permaneça tão egoísta como outrora, estarrecida eu depreendo o que entrevi e ignorei: passaram-se dois anos e em dois anos eu desaprendi a falar-me.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três