Ano Três

     Vim escrever com muita coisa a dizer, mas sem conseguir amarrar as ideias.

     Este blog foi criado no mesmo dia em que me veio o desejo de tê-lo. Nele está implícita minha vontade de ser lida, do começo ao fim - ânsia petulante, veja: as vezes em que escrevi a alguém real, sempre repudiei a ideia de ser exposta a todos eles e elas. Porém, de certa forma, o "risco" foi aceito: não sou um personagem.

     Não sou um personagem; ainda assim, não é sobre mim que este blog deveria ser, mas sim sobre poesia. Era pra ser a minha desopressão entregue e passível dos pesares de quem quisesse, da maneira que quisesse. Mas, falhei. Falhei tão terrivelmente que sequer consigo terminar este período para iniciar o próximo de forma digna.

     De uns tempos pra cá, tenho fugido do compromisso que arquei quando fiz o H-Pov. Tenho desejado apagar todo o seu infeliz começo, fingir que aquilo lá não existiu. Tenho escrito também, vez ou outra, mas nada que me contente o bastante. E ainda há o que eu já não quero expor; de repente não sou mais apenas petulante, mas egoísta também. Assim, este blog tem corrido um certo risco de desaparecer.

   Percebi-me, no entanto, apegada. E apesar de ter perdido muito do que costumava ser, estou pouquíssimo inclinada ao bom senso de não escrever mais. Apesar de detestar tudo o que escrevi há pouco, não vou ignorar e há um motivo, digamos, especial: hoje o blog completou o terceiro ano. E eu não teria me lembrado, se não fosse o Níck.

Comentários

  1. Abandonar uma parte do blog, escrito por ti, é abandonar uma parte da sua vida e, consequentemente, de ti.
    Não faças isto.

    ResponderExcluir
  2. Sou adepto de algo mais direto: se, no pesar final, é melhor deletá-lo, que seja e faça! Mas se considera que poderá voltar a escrever e gostaria de utilizar o mesmo espaço, que mantenha!

    Mas não fique em cima do muro. Se tiver vergonha de seu passado jamais poderá ser algo que sinta orgulho em momento algum do futuro.

    ResponderExcluir
  3. Três anos, nossa.
    Escrever não é fácil, não se tem como escapar do que, em nós, nos escorre pelos dedos para o texto. Na verdade somos escritos à revelia.
    Espero que esse terceiro ano, possa ser o primeiro de muitos outros cada vez melhores.

    ResponderExcluir
  4. E como repentinamente deverias ocorrer-me, como singela sinfonia emudecida de minhas palavras em meu próprio espaço, peço-lhe, minha estimada Nic, não nos prive desta poesia acalentadora de outrora, ou perturbadoramente tempestiva a meus próprios atos. Concordo com o amigo Tempestade. Compreensão silente. Beijo cardíaco.

    ResponderExcluir
  5. Não vinha aqui há tempos te ler... Achei que o blog fizesse mais tempo, me lembro das primeiras ideias e tals.. Sei lá, eu te diria pra não abandonar, eu sempre te disse que você tem mto jeito com as palavras e escreve mto bem! Eu vi as novas postagens tbm, que bom que resolveu mante-lo por, pelo menos, mais um tempo. Que venham mtos mais anos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog