Falas com ternura e eu o beijo
com ímpeto, com o intento de fazê-lo
próximo, tão próximo, que nada possa
deixá-lo distante, deixar que vá embora.

O aguardo da despedida que permeia nossa conduta
questiona-me se há no mundo alguém que valha sua doçura;
ou, sob os olhos de outrem, se há vagueza maior que a minha
figurando-me em teus braços, parecendo estar sozinha.

Ainda que o longe furte o que tenho a dizer,
se há certeza, pode-se calar, pois "já era amor antes de ser".
Teu enlace não deixa de aquecer-me a alma,
de tudo que é teu amor, não me priva de nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ano Três